16 de fev de 2014

                                     A Partilha

 Recebi via e-mail um pedido de Roberta Clarissa Leite- ela escreve sobre educação e literatura.  Estou divulgando o trabalho dela. Partilhar novos saberes é nossa missão.
                     
                        Poesia e recital , uma forma de aprendizado


 A  chamada poesia oral, aquela que é escrita para ser lida ou interpretada em voz alta foi uma herança vinda de longe para o nordeste brasileiro. Na Idade Média os menestréis ou jograis no Velho Mundo caminhavam cantando suas loas e recitando sua rimas para o público que passava pelas ruas.
Poesia ritmada, com regras de métrica, rima e oração, impressa em pequenos livros de poucas folhas, na capa uma imagem de uma xilogravura e o conteúdo recheado de humor, crítica ou romantismo. As feiras  e mercados públicos foram o palco inicial para artistas que abraçaram essa arte e que perpetuaram na cultura essa forma de poetizar.
A introdução dessas regras da construção poética ganhou força ao se unir com a criatividade do brasileiro. O folheto de cordel é um exemplo. O contato da poética feita pelos portugueses e tradições locais do Novo Mundo desenharam o que chamamos hoje de cordel ou folheto de feira.
No início essa arte era representada por poetas do povo, digamos, às vezes iletrados, mas dotados de uma inteligência natural e, como se diz no nordeste, “sabedor”. Eram eles os repórteres que levavam informação e notícias para os rincões do Brasil, sem TV ou rádio na época.
Atualmente o quadro mudou. Universitários e diversos profissionais tomaram gosto pela arte do cordel e a produção ganhou força nos últimos 10 anos no Brasil. Cursos em várias faculdades brasileiras discutem essa temática em trabalhos acadêmicos e cordéis são também traduzidos para a língua inglesa e enviados para fora do Brasil.
Escolas abrem as portas para poetas ensinarem os segredos de uma poesia perfeitamente metrificada e com a cadência necessária para ter musicalidade ao ser lida em público e para prender a atenção do ouvinte. O poeta cearense Patativa do Assaré foi um exemplo das letras com sua poesia nua e rica em detalhes da vida do homem comum, da roça, do povo, do nordeste, do “forte” como dizia Euclides da Cunha, em seu Os Sertões – “O sertanejo, antes de tudo, é um forte”.
Irmão da cantoria de viola, repente feito pelo artista chamado de violeiro, o cordel é também conhecido como poesia de bancada, o paraibano Leandro Gomes de Barros(1865-1918) foi o grande representante dessa literatura com seus mais de 200 folhetos publicados.
Grandes artistas da MPB também utilizam modalidades dessa arte em suas músicas como Zé Ramalho, Elba Ramalho e Alceu Valença ao gravarem martelos agalopados, sextilhas ou decassílabos.
O renomado poeta pernambucano Manuel Bandeira ao fazer parte de um evento de cantadores de viola, escreveu:
 "Saí dali convencido
Que não sou poeta não;
Que poeta é quem inventa
Em boa improvisação
Como faz Dimas Batista
E Otacílio seu irmão;
Como faz qualquer violeiro,
Bom cantador do Sertão,
A todos os quais humilde
Mando minha saudação.”
O poema faz referência também aos irmãos Batista, poetas do Vale do Pajeú, sertão pernambucano e foi publicado em 1956, no Jornal do Brasil.
Não é difícil apresentar essa arte aos alunos e fazê-los produzir um cordel com um tema de livre escolha.
Você já trabalhou cordel em sala de aula?




2 comentários:

Leonel disse...

No final da década de 1960, fui apresentado à literatura de cordel, em minha passagem pelo nordeste brasileiro.
Uma novidade para mim, a grande variedade e riqueza desta manifestação cultural típica daquela região!
Boa lembrança, Mariza!

Irivan Rodrigues disse...

Olá educadora Mariza, boa tarde!

Talvez eu esteja por aqui pela segunda vez trazendo um convite a você para fazer parte do Projeto Educadores Multiplicadores. O objetivo do projeto é unir e divulgar blogs de educadores.

Divulgue seu blog e promova a educação!

Faça parte da maior comunidade de blogs educativos do Brasil! Permita que outras pessoas conheçam este espaço e que ele fique mais conhecido entre os professores/educadores, alunos e escolas do Brasil e Portugal. É grátis!

Abraços, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

Irivan Rodrigues