3 de mar de 2013

Nossa aventura no México


                 Valdonabike  (Amigos  Para  Sempre)

A tão esperada viagem ao México aconteceu. Uma semana para conter a ansiedade de sair do Brasil e aventurar em busca da Tanajura (bicicleta do cicloturista Valdo que faleceu em território mexicano).
Saímos às 02 horas de Joinville para ir até São José dos Pinhais/PR (aeroporto), chegamos cedo e ficamos vendo as lojas. Comprei um livro. No avião até São Paulo tudo dentro do normal e rápido. Em São Paulo vi e vivi muitos fatos desde o linguajar até o fato de ter de deixar meus cremes na inspeção. O guarda olhou para mim e falou: Você é americana? Respondi: Não, sou brasileira e catarinense com muito orgulho. O shampoo, hidratante, bloqueador solar vão ficar e... a imagem de Nossa Senhora Aparecida também fica! Argumentei:  “Peraí” isso vai, é uma lembrança para meus amigos mexicanos. Concordou e deixou.
De São Paulo até o México 9 horas (um chá amargo de avião) assisti filmes, dormi, o marido não conseguiu dormir. Fizemos tudo o que podíamos “ confinados” em um avião. Cenas bizarras que presenciamos : uma senhora indo para Cancun (misericórdia!! A 3 idade pode viajar e deve viajar, porém...como falam. Para preencher o cartão de migrante fizeram um “ aué” – uma comentou: Eu não sei inglês , a outra pedia explicação a todo momento para a comissária de bordo. Pensei.. contínuo em sala de aula. Resumindo as duas envolvidas em preencher o formulário não receberam o almoço. Outro momento de confusão. Nós preenchemos e dividimos informações.
       Cecy esposa de Felipe Besné                                           Uma visão contemplativa
Chegamos ao México sem empolgação com muito cansaço. Fomos direto à fila de migração(uma fila enorme). Duas horas esperando para completar atrás da fila, nos nossos ouvidos “ as mulheres da 3º idade:falatório, falatório... nada útil comentários sobre as viagens que fizeram, compras, fofocas , cultura zero. Saímos da fila da migração - ficamos nos batendo procurando as bagagens. Cadê o Felipe? Graças a Deus encontramos o Felipe , amigo de Valdo e ciclista com a companhia de sua doce esposa. Nossa!!! Que alegria ver em terras estranhas o sorriso largo de Felipe e sua esposa. Senti uma presença estranha no ar, sei quem era. Tínhamos pouco tempo no México   queríamos muito ir  à Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe para agradecer pela viagem , pelos amigos mexicano. Foi muito emocionante... é tudo “mui lindo”  sensação de paz e simplicidade. Fomos de metrô na metade do caminho pegamos um táxi e voltamos andando duas quadras. Chegando ao aeroporto o Valde (maridão) ajeitou as papeladas descansamos com um bom café. Parada para as despedidas .

O Casal nos presenteou com lembranças da cidade do México. O primeiro presente foi a réplica da imagem da Nossa senhora de Guadalupe , ganhei imagens da cultura mexicana, os meninos e o marido receberam a miniatura do traje mexicano. Pronto!! Acabaram os presentes... que nada! O casal apareceu com um pen-drive com as últimas fotos do Valdo, por ocasião Natal ( passou com a família Besné). 3 cópias uma para nós e duas para a família do Valdo.. A mais emocionante foi quando o Valdecir ( Marido) recebeu de presente o capacete e o rosário do Valdo. O presente para o MUBI( Museu da bicicleta de Joinville). As lágrimas escorreram duas vezes no México: Na Basílica e na entrega dos objetos de nosso amigo. O casal ficou o tempo todo conosco. Fomos embarcar para ir para Tijuana. Entregamos a imagem de Nossa Senhora Aparecida  aproveitei para entregar para  Cecy  o que eu levo sempre comigo: minha   minha pulseira de prata  com a imagem de  São Bento.





   Na sala VIP indo para Tijuana  passou-me um arrepio na  alma – cachorros com focinheiras e o acompanhante com om rosto um a máscara preta. Tudo muito sinistro.

Dia 22 de novembro A novela do Rent a Car  iniciava. O Rogelio via um preço e o Valdecir via o outro. Depois de muito pesquisar alugamos uma Van . Às 7 h45 min tomamos um café para ele um almoço (o café para eles é um almoço para nós: ovos, bacon, frituras, tacos, carnes...).


 Rumo para Ensenada muito chão até chegar ao destino.Paramos para degustar “ Quejos” ou queijos . Hum!! Uma delícia! Mais estrada até chegar na casa do tio Marco Antônio (tio de Rogelio). Comemos  tacos com  suco.

 
 
Colocamos a bike no carro e fomos  até o cemitério encontrar o local onde o Valdo foi enterrado. Encontramos madeiras velhas e galhos em cima do  chão batido. Precisávamos demarcar o local . Compramos cimento e pedimos para um rapaz ( são ex-viciados ou viciados) que ficam ali esperando para fazer algo para ganhar um “um troco”´. Enquanto ele ficava  cimentando resolvi dar uma voltinha ao redor do cemitério e observar . Fiquei horas observando duas meninas brincando ao lado de um túmulo ou “ tuba”.Elas colocaram balões e brinquedos em cima do  túmulo e corriam ao redor.

Cada túmulo havia uma cruz feita de madeira simples e  pendurado várias bonecos, ursos , brinquedos .

 Após a 1º camada foi colocado um terço.  Esperamos secar e foi escrito Valdo – Brasil.  O rapaz que estava colocando o cimento ficou  colocar mais cimento e ajeitar os lados com cimento. Sugerimos a frase: amigos para sempre.combinamos de no outro dia passar e pagar pelo trabalho.

 
 

 

Desmontamos a bike na casa do tio Marco Antonio (aquele tio de Rogelio que na frente é uma lanchonete e atrás uma oficina) Ocupamos a oficina sem ajuda de ninguém , nem apoio moral. 


 Depois de muito trabalho finalmente conseguimos – cansados, famintos e imundos fomos comemorar com uma pizza mexicana.  Já na casa alugada procuramos água para um bom banho, O Rogelio não sabia como funcionava o abastecimento da água , ficou durante 4 horas na lida... Olhei para o Valdecir e falei: Vamos dormir assim mesmo. Acordamos  e a grande novidade: os banho ,só que de “canequinha”. Fazer o quê... aceitar .

Depois de um bom banho nada melhor que um bom café, corremos até uma cafeteria e a novela do café: nós café com pão  o Rogelio um sanduiche tamanho família . Com o copo em mão fomos caminhado até La Bufadora um espetáculo da natureza as ondas batem nas pedras e formam uma nuvem de águas coloridas. Encontramos americanos, menonitas, japoneses encantados com a beleza.Claro!!!  As lojinhas davam um brilho maior, comprei alguns presentes para os meninos. O Valdecir e o Rogelio diviram um almeja ostra recheada ou algo parecido.




 

Precisamos muito de dinheiro, procurando um caixa eletrônico e nada de ser  aprovado a transação. Já no 3 banco eu exclamei: “Puta Merda!!!! “Pronto!!! O Rogelio escutou e qualquer dificuldade ele berrava  puta merda – momentos de risos e descontração.

Pausa para celebrar a vida:  Rota dos vinhos , local : São Thomás  uma natureza deslumbrante e degustamos vários vinhos. Jesus, como era gostoso!!! Vinho, queijos e petiscos. Fui presenteada com uma camiseta. Meu marido é muito fofo.Obrigada, pela camiseta.

Comprei flores e fomos  até o cemitério – Cadê o rapaz e o prometido? Enrolou, enrolou e não fez. Coloquei as flores no túmulo . Pedi para o rapaz  cuidar do local e colocar flores – Demos  uma camiseta do Brasil para ele .Pedi que ele cuidasse do Túmulo para nós , pois o Valdo era um pai para nós. Abraçando a camiseta concordou que sim.

 
 Indo para Tijuna exatamente  às 18:h30 min .entregamos a Van no horário certinho e fomos para o hotel. Depois de um bom banho e uma janta maravilhosa recebemos a visita  de Rogelio e sua namorada Mônica receberam de presente uma imagem de Nossa Senhora Aparecida e os livros do Valdo.  Ficamos órfãos o  nosso amigo ia participar de um retiro e deixou nos sozinhos no México. O que fazer??? Dormir e pensar.
Sábado fomos até o  Mercado Municipal procurar corda para amarrar a bike. O trajeto era longo. A tarde foi de preocupação: Como levar a bike enorme e ,nós com malas, mochilas.
Outro dia tomamos o café da manhã  em silêncio. Fechamos as contas no hotel  de cortesia recebemos  um táxi para nos levar até o aeroporto. Procuramos um Pablito  (menino) para levar nossas malas e a bike. No despacho de bagagens foi uma novela para vistoriar a bike. O que nos salvou foi o álbum de fotos que era do Valdo . Mostramos e fomos liberados.  O preço da bagagem era 65 dólares, porém não cobraram is o peso estava baixo e veio como nossa bagagem, pagamos  somente 9 dólares  para embalagem da bike.  Na sala de espera em Tijuana o voo atrasou  2 horas. Aproveitei para comprar algumas lembrancinhas.
Chegamos finalmente  na cidade do México – fomos fazer a papelada da migração . Pensei... vamos agora as compras! Só escutamos pelo microfone Valdecir e  Mariza do voo  tal  comparecer urgente  pois o avião está saindo. Corremos com as mochilas porque a bike ia  direto até Guaraulhos. Finalmente conseguímos! 

   Em Guarulhos a novela da bagagem. Não chegou pelo atraso de Tijuana. Pronto!! Pensei tanto trabalho para nada. O responsável pelas bagagens ficou de deixar no  aeroporto de Joinville- olhou para nós e falou: Amanhã  até 12  horas vocês  irão receber a bagagem na casa de vocês.Ela chegou trazendo a esperança de ir para o MUBI (Museu da bicicleta) Só podemos garantir que a todo momento nós sentíamos a presença forte da Virgem de Guadalupe e um olhar paterno do nosso amigo Valdo.

 


 

11 comentários:

Paulo Francisco disse...

Imagens lindas!

Leonardo Esch disse...

Esperamos que tudo corra bem e que a Tanajura fique no Museu da Bicicleta em Joinville.
Parabéns pela iniciativa e por compartilhar a viagem!!!

Anônimo disse...

Foi uma viagem muito agradável, e muito agradecido aos amigos mexicanos pela sua disponibildade. (Valdecir)

Rogelio Serrano (Tijuana) disse...

Mis queridos amigos es un placer estar con ustedes! UN GRAN ABRAZO HASTA BRAZIL!!!!!!! OTIMO!!!! (Rogelio de Tijuana)

R. R. Barcellos disse...

A amizade faz milagres. Belíssimo e comovente relato.

Abraços.

Felipe Besné N. disse...

Estimados amigos Valdecir y Mariza:
Es un honor haber contribuido para una buena causa al donar equipo (Casco, y Rosario) de nuestro inolvidable amigo "VALDO" y que finalmente regresa la "TANAJURA" a Jonville en el Museo de la Bicicleta para que sea siempre recordado con su mensaje de "PAZ" por el mundo.
Abrazos de Cecy y un servidor.

Cris disse...

Nossa , que viagem legal professora assinado : Larissa Nogueira
Com muita saudade de você e das suas aulas muito interessantes um beijooooo pra você e sua família

Cris disse...

linda prof: viagem maravilhosa,sds de vc mto...viu so a sora falava tanto que tinha vontade de buscar essa bike e foi...kkkbjs.felicidades a vc

Cris disse...

ljnda de mais sds.. de vc.ass;seu chuchuzinho kkjonathan felicidades maravilho viagem fui eu que nao comentei e nao botei o nome..kkk

Nivolas Bruno 2°1 disse...

Muito legal esse trabalho pela Joinville, vocêis estão de parabéns !!

Anônimo disse...

Muito show o seu Blog professora Marisa .Fiquei surpreso ao ver a postagem do nosso trabalho sobre a situação dos hospitais.

Um abraço, e um bom final de semana.

Gabriel Corrêa, 2°3, Jorge Lacerda.